Newsletter e atualizações

Fique por dentro de notícias selecionadas pela Melo

Receita Federal ignora disposição legal e passa a cobrar IOF sobre receitas decorrentes de exportação

25/03/2019

paraleloz

O Imposto sobre Operações Financeiras – IOF, tem como um de seus fatos geradores, conforme dispõe o artigo 63, inciso II, do Código Tributário Nacional, “quanto às operações de câmbio, a sua efetivação pela entrega de moeda nacional ou estrangeira, ou de documento que a represente, ou sua colocação à disposição do interessado em montante equivalente à moeda estrangeira ou nacional entregue ou posta à disposição por este.”

No entanto, o artigo 15-B do Decreto 6.306, de 2007, disciplinou que “nas operações de câmbio relativas ao ingresso no País de receitas de exportação de bens e serviços” a alíquota do IOF deve ser zero.

Mesmo diante desta disposição, a Receita Federal, em resposta à consulta feita por empresa exportadora do ramo da madeira, emitiu a Solução De Consulta Cosit Nº 246, de 11 de Dezembro de 2018, interpretando que, “os recursos inicialmente mantidos em conta no exterior forem, em data posterior à conclusão do processo de exportação, remetidos ao Brasil, haverá incidência de IOF à alíquota de 0,38%”.

Com esta interpretação, os bancos, responsáveis tributários pelo recolhimento do IOF, passaram a reter a tributação, descontando do valor a ser repassado para o exportador.

Entretanto, a interpretação da Receita Federal distorce o disposto no artigo 15-B do Decreto 6.306, de 2007, uma vez que esta não consta nesta norma, e em nenhuma outra, qualquer menção à algum limite temporal para a internalização dos recursos decorrentes da exportação.

Por este fato, é necessário que as empresas busquem a tutela do judiciário para conseguir restabelecer a alíquota zero do IOF no que tange às operações de nacionalização de recursos decorrentes de exportações.

Algumas empresas de São Paulo, Rio de Janeiro, e Minais Gerais já obtiveram liminares para suspender a cobrança do IOF.

A equipe do Núcleo Tributário da Melo Advogados Associados coloca-se à disposição para quaisquer esclarecimentos.

 

*Yan Cesar Rodrigues de Melo é advogado do Núcleo Tributário da Melo Advogados Associados. 

Contratos bancários: Limitação de desconto acima de 30% dos vencimentos

  Atualmente, muitos consumidores, a fim de viabilizar a aquisição de bens e serviços, ou até mesmo, ajudar algum familiar, entre outras hipóteses, acabam optando por realizar empréstimos junto às mais diversas instituições financeiras, acreditando ser a melhor forma de…

Ler mais…

Atestado para amamentação aumenta a licença maternidade?

Não. O atestado para amamentação não aumenta o período de licença maternidade e não abona as faltas da empregada após o término da licença-maternidade. Ele apenas justifica a ausência da empregada ao trabalho. O denominado “atestado para amamentação”, costumeiramente emitido pelos médicos,…

Ler mais…

Guarda compartilhada é possível mesmo havendo desavença entre ex-casal

Em 2017, a decisão da 3ª Turma reconheceu a possibilidade de guarda compartilhada mesmo no caso de haver graves desavenças entre o ex-casal. A decisão foi uma forma de manter ativos os laços entre pais e filhos após a separação…

Ler mais…

Pagamento de contribuições em atraso pode antecipar a aposentadoria

  Em meio à tramitação da reforma da previdência,  trabalhadores que estão há poucos anos de se aposentar têm buscado formas de antecipar o tempo de contribuição necessário para dar entrada ao benefício. Um dos questionamentos é sobre a possibilidade…

Ler mais…