Newsletter e atualizações

Fique por dentro de notícias selecionadas pela Melo

STJ autoriza penhora parcial de salário em dívida não alimentar

02/07/2019

paraleloz

 

Em novo entendimento mostrou-se possível a penhora de uma fração salarial desde que não comprometa a subsistência da parte devedora, mesmo que seja para quitar dívida que não seja de origem alimentar.

A decisão é do ministro Marco Buzzi, do Superior Tribunal de Justiça, ao permitir a penhora de 25% do salário de duas mulheres que deviam a uma cooperativa de crédito de Santa Catarina.

Segundo entendimento recente do tribunal, “a regra geral da impenhorabilidade de salários, vencimentos, proventos etc. (artigo 649, IV, do CPC/73; artigo 833, IV, do CPC/2015), pode ser excepcionada quando for preservado percentual de tais verbas capaz de dar guarida à dignidade do devedor e de sua família”.

Para justificar a decisão, o ministro Marco Buzzi também citou o acórdão de um julgamento de outubro de 2018 no próprio STJ: “O Novo Código de Processo Civil, em seu artigo 833, deu à matéria da impenhorabilidade tratamento um tanto diferente em relação ao Código anterior, no artigo 649. O que antes era tido como ‘absolutamente impenhorável’, no novo regramento passa a ser ‘impenhorável’, permitindo, assim, essa nova disciplina, maior espaço para o aplicador da norma promover mitigações em relação aos casos que examina, respeitada sempre a essência da norma protetiva”.

Assim, com base na Súmula 568 do STJ, que permite ao relator decidir monocraticamente quando houver entendimento dominante sobre o tema, o ministro reformou acórdão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, permitindo a penhora parcial do salário das devedoras.

Decisão completa: REsp 1.818.716

 

Por: Elias Felipe Vera, advogado do Núcleo Cível da Melo Advogados Associados. 

 

Abono Pecuniário – Conversão de férias em dinheiro deve ser solicitada formalmente

    A conversão de férias em pagamento é uma decisão do empregado,  não cabe ao empregador assumir uma posição nesta questão.   A partir desse pressuposto, a 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) proferiu sentença…

Ler mais…

O parcelamento tributário e a (im)possibilidade de desbloqueio de ativos financeiros via BACENJUD

Através do processo executivo, a Fazenda Pública visa a cobrança judicial dos devedores de créditos (tributários ou não tributários) que estão inscritos em dívida ativa. A forma mais comum de satisfação dos créditos tributários é o pagamento, ou seja, o…

Ler mais…

STJ afasta condenação de comerciante por furto de veículo de consumidor em estacionamento aberto e de livre acesso

Em recente decisão proferida nos autos de Recurso Especial nº 1.431.606 a 2ª Seção do STJ decidiu que não cabe responsabilizar estabelecimento comercial por danos decorrentes de assalto em seu estacionamento quando o espaço destinado aos veículos dos consumidores tem natureza…

Ler mais…

Contratos bancários: Limitação de desconto acima de 30% dos vencimentos

  Atualmente, muitos consumidores, a fim de viabilizar a aquisição de bens e serviços, ou até mesmo, ajudar algum familiar, entre outras hipóteses, acabam optando por realizar empréstimos junto às mais diversas instituições financeiras, acreditando ser a melhor forma de…

Ler mais…