Newsletter e atualizações

Fique por dentro de notícias selecionadas pela Melo

Quais as vantagens de desvantagens do Lucro Real?

15/05/2018

admin_meloadvogados

No Lucro Real, a tributação Imposto de renda Pessoa Jurídica (IRPJ) – e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) , se dá mediante a apuração contábil dos resultados, com os ajustes determinados pela legislação fiscal.

A base de cálculo do imposto, determinada segundo a lei vigente na data de ocorrência do fato gerador, é o lucro real correspondente ao período de apuração.

Em tese, esta é a forma de tributação mais justa, por atender à característica mais expressiva do imposto sobre a renda das pessoas jurídicas, que é a incidência sobre o resultado efetivo (receitas menos despesas), e não sobre um resultado teórico (como no caso do Lucro Presumido).

Porém, devido à burocracia fiscal exigida pelo Lucro Real, muitas empresas e profissionais da área tributária acabam acomodando-se a formas mais simples de apuração do imposto (Lucro Presumido ou Simples Nacional).

De fato, para uma empresa com pequeno faturamento, os custos burocráticos para os controles exigidos pelo Lucro Real tendem ser maiores que os tributos apurados (IRPJ e CSLL) . Em tese, tais empresas, quando a legislação do Imposto de renda o admite, deveriam optar ou pelo Lucro Presumido ou pelo Simples Nacional.

Mas a grande maioria das demais empresas, mesmo as pequenas, deveriam estar atentas às possibilidades que o Lucro Real permitem ao Planejamento Tributário, já que nossa legislação não veda a escolha da forma de tributação, salvo em relação ao valor da receita bruta e/ou de determinadas atividades.

Por exemplo: empresas capitalizadas podem deduzir, na apuração do Lucro Real, os juros calculados mediante a TJPL sobre o Capital próprio. A tributação destes juros (15%) é menor que a tributação do IRPJ (15 a 25%) e da CSLL (9%).

Assim, as principais vantagens para opção pelo Lucro Real, são:

#1Tributação tecnicamente mais justa, sobre os resultados (e não sobre uma base faturamento, como no Lucro Presumido);

#2Aproveitamento de créditos do PIS e COFINS (especialmente interessante para empresas que tem menores margens de comercialização);

#3Possibilidades de utilização de dezenas de formas de planejamento tributário;

#4Compensação de eventuais prejuízos fiscais existentes.

As desvantagens seriam:

#1. Maior ônus burocrático, pela necessidade de controles e acompanhamentos fiscais e contábeis especiais;

#2Incidência do PIS e COFINS às alíquotas mais altas (mas permitindo os créditos estipulados na legislação).

Fonte: Grupo Bettencourt

 

A exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS

Por: Leandro Takaki* No dia 15 deste mês, o Supremo Tribunal Federal encerrou o julgamento do RE 574.706 excluindo o ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS. A decisão que foi publicada no dia 20/03/2017, atinge todas…

Ler mais…

Não incidência do PIS/ COFINS sobre notas fiscais incorretas

Em 17.01.2017 foi publicada a Solução de Consulta COSIT nº 4/17 que, em linhas gerais, dispõe acerca dos efeitos da correção de notas fiscais para fins da apuração da base de cálculo do PIS e da COFINS. Conforme consta da…

Ler mais…

Programa de Regularização Tributária – PRT – Aspectos positivos e negativos

O ano inicia e já nos primeiros dias tivemos a publicação da MP 766/16, que instituiu o esperado “REFIS da crise”, medida já anunciada pelo Governo Federal, como forma de atenuar os efeitos da retração da economia enfrentada nos últimos…

Ler mais…