Newsletter e atualizações

Fique por dentro de notícias selecionadas pela Melo

Venda Casada

25/02/2019

paraleloz

O mercado está a cada dia mais agressivo para a realização de vendas, e aumento de faturamento consequentemente, em todos os seguimentos, indistintamente.

Contudo, é preciso ficar atento, ao passo que, nessa busca desenfreada de alcançar o objetivo, por vezes, nos deparamos a imposição do prestador de serviços e/ou fornecedor de determinado produto, de que para a adesão/compra de determinado item/serviço, é necessário que se faça a compra também de um produto acessório.

O que caracteriza a chamada venda casada, vendada pelo artigo 39, I, do Código de Defesa do Consumidor. E o consumidor pode denunciar estas práticas, e reivindicar seus direitos quando lesados, veja alguns, dos muitos, exemplos que podem ser denunciados e reivindicados:

  • Combos de serviços de telefonia, internet, TV acabo, que não sejam vendidos separadamente;
  • Concessão de cartões de cartões de crédito associados a seguros ou títulos de capitalização;
  • Salões de festas que condicionem o aluguel do espaço à contratação de outros serviços da casa;
  • Financiamento de imóvel condicionado ao seguro habitacional.

*Marli Camargo Nunes Kamke é advogada do Núcleo Cível da Melo Advogados Associados.

Receita Federal ignora disposição legal e passa a cobrar IOF sobre receitas decorrentes de exportação

O Imposto sobre Operações Financeiras – IOF, tem como um de seus fatos geradores, conforme dispõe o artigo 63, inciso II, do Código Tributário Nacional, “quanto às operações de câmbio, a sua efetivação pela entrega de moeda nacional ou estrangeira,…

Ler mais…

Bônus de contratação – “Hiring Bonus” não está sujeito a contribuição previdenciária

Por unanimidade, a 2ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) de forma inédita  afastou a incidência de contribuições previdenciárias sobre a parcela conhecida como hiring bonus, ou bônus de contratação, ao entender que o bônus…

Ler mais…

Roubo em estrada pedagiada: STJ entende inexistir responsabilidade do pedágio por se tratar de ato de terceiro

00, tendo em vista que referido tribunal entendeu de forma unânime que se trata de fato praticado por terceiros, afastando a responsabilidade da concessionária do pedágio. No caso concreto, uma família foi assaltada e sequestrada com arma de fogo na…

Ler mais…

Erro cartorário: STF Decide sobre responsabilidade do estado

Poucos sabem que os cartórios em geral exercem uma função de competência delegada, isto é, função de competência originária do Poder Executivo do Estado, mas que desde a Constituição Federal de 1988, pode ser delegada à iniciativa privada, nos termos…

Ler mais…