Entenda a alteração dos benefícios fiscais de ICMS após a publicação da Lei 14.789/23

11 de janeiro de 2024

Conforme o previamente noticiado pelo escritório, com a apreciação da Medida Provisória n° 1.185, de 2023, pelas Casas do Congresso Nacional, houve a conversão do ato do Poder Executivo na Lei n° 14.789, de 29 de dezembro de 2023. A legislação, que entrou em vigor em 01/01/2024, regendo a nova sistemática de abatimento dos valores concedidos pelos Estados através de incentivos e benefícios fiscais de ICMS da base de cálculo de tributos federais. 

A Lei n° 14.789/2023 revogou o artigo 30 da Lei n° 12.973/2014, impossibilitando não apenas a exclusão das subvenções da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, mas igualmente a aplicabilidade do entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Assim sendo, todos os benefícios fiscais de ICMS devem ser incluídos nas bases de cálculo do IRPJ, da CSLL, do PIS e da Cofins. Haverá, noutra via, a concessão de um crédito fiscal de 25% calculado sobre a receita de benefício qualificado pela Receita Federal do Brasil (RFB) como subvenção para investimento.

Para ser identificado como subvenção para investimento, o incentivo fiscal deverá preencher condições e contrapartidas relacionadas à implantação ou expansão de empreendimento econômico subvencionado por ente federativo. 

A concessão do crédito fiscal dependerá da habilitação da pessoa jurídica perante a Receita Federal do Brasil, por protocolo no e-CAC. Dentre outros pressupostos deverão ser demonstrados: 

  • A caracterização da empresa como beneficiária de subvenções para investimento concedida por ente federativo;
  • O ato concessivo da subvenção anterior à implantação ou à expansão do empreendimento econômico; 
  • O ato concessivo da subvenção pelo qual houve a fixação de forma expressa sobre quais foram as contrapartidas a serem observadas pelo contribuinte relativas à implantação ou à expansão do empreendimento econômico.

Caso não haja manifestação da Receita Federal em 30 (trinta) dias, a pessoa jurídica será considerada habilitada. Com isso, o crédito fiscal de subvenção para investimento, que corresponderá ao produto das receitas de subvenção e da alíquota de 25% (vinte e cinco por cento) relativa ao IRPJ, poderá ser apurado. 

Nesta apuração, somente poderão ser computadas as receitas:

  • Relacionadas às depreciação, amortização ou exaustão ou de locação ou arrendamento de bens de capital, até os limites das despesas relativas à implantação ou à expansão do empreendimento econômico; 
  • Computadas na base de cálculo do IRPJ e CSLL;

O crédito fiscal não será incluído na base de cálculo do IRPJ, da CSLL, do PIS e da Cofins. Sendo que poderá ser compensado após o reconhecimento das receitas de subvenção para fins de tributação. Caso em um prazo de 24 (vinte e quatro) meses, contados da tributação das receitas pelo IRPJ e pela CSLL, não tenha havido a compensação, haverá o ressarcimento do valor do crédito fiscal em dinheiro. 

Além disso, a Lei n° 14.789/2023 trouxe a hipótese de uma transação tributária especial para regularização das operações realizadas em desacordo com o artigo 30 da Lei 12.973/14, vigente até o ano de 2023. Com a autorregularização, serão concedidos descontos de até 80% do principal, multa e juros. 

Com a revogação do dispositivo acima elencado, também se reafirmaram disposições concernentes à forma de registro e utilização dos créditos na reserva de lucros. 

Ao final das disposições concernentes às novas regras de abatimento das subvenções para investimento das bases de cálculo dos tributos federais, a Lei n° 14.789/2023 formulou mudanças na forma de apuração do Juros sobre Capital Próprio (JCP), assim como alterou disposições na Lei de Offshores e Fundos de Investimento (Lei nº 14.754/23) relativas aos rendimentos das aplicações nos FIPs, nos ETFs e nos FIDCs que não forem classificados como entidades de investimentos. 

Em vistas à grande relevância do tema, a Melo Advogados permanece à disposição para prestar os esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários. 

Recomendados

Estado do Paraná prorroga prazo de pagamento do ICMS para empresas prejudicadas pelas fortes chuvas

Em resposta aos danos provocados pelas condições climáticas adversas no Paraná, o governo estadual implementou medidas proativas para auxiliar os estabelecimentos comerciais prejudicados pelas intensas chuvas recentes.

Saiba Mais

STJ entende que a bandeira tarifária integra a base de cálculo do ICMS na energia elétrica

A 1ª Turma do STJ, na esteira do entendimento firmado pela 2ª Turma, fixou posicionamento no sentido de que os adicionais de bandeira tarifária pagos proporcionalmente ao consumo de energia elétrica integram a base de cálculo do ICMS.

Saiba Mais

Parcelamento PGFN, como solicitar essa transação tributária?

O parcelamento PGFN é um tipo de serviço que possibilita aos empreendedores a quitação de seus débitos. Confira mais em nosso blog!

Saiba Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

crossmenu linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram