Lula revoga decreto de Bolsonaro e restabelece PIS/COFINS sobre receitas financeiras sem respeitar anterioridade

2 de janeiro de 2023

Ao apagar das luzes do ano de 2022, o governo Bolsonaro publicou o Decreto nº 11.322/2022, reduzindo a alíquota do PIS/COFINS incidente sobre “incidentes sobre receitas financeiras, inclusive decorrentes de operações realizadas para fins de hedge”.

O Decreto publicado pelo governo Bolsonaro em 30/12/2022 havia reduzido para 2,33% (dois vírgula trinta e três por cento) as alíquotas somadas da Contribuição ao PIS e da COFINS. Com a publicação do Decreto nº 11.474, de 1º de Janeiro de 2023, as alíquotas foram restabelecidas para 4,65% (quatro vírgula sessenta e cinco por cento).

A diferença representa um aumento de 2,32 pontos percentuais na tributação. Na prática, caso uma empresa tenha auferido R$100.000,00 (cem mil reais) em receitas financeiras, por exemplo, arcaria com um valor de R$2.320,00 (dois mil trezentos e vinte reais) a mais em razão da publicação do novo decreto.

O ponto de atenção é a partir de que momento o novo decreto produzirá efeitos. Isso porque seu artigo 4º dispõe que o “Decreto entra em vigor na data de sua publicação”. Em outras palavras, a intenção do novo governo é que a redução passe a valer de forma imediata.

Acontece que o restabelecimento das alíquotas da Contribuição ao PIS e da COFINS precisam respeitar o período da noventena, e portanto só poderiam passar a produzir efeitos a partir de abril de 2023. Este é o atual entendimento dos tribunais, e que deveria ser respeitado.

Portanto, caso a intenção do governo seja de fato efetuar a cobrança da alíquota majorada a partir de 02/01/2023, opinamos pela necessidade de judicializar a questão para garantir a manutenção da alíquota reduzida de 2,33% (dois vírgula trinta e três por cento) por 90 (noventa) dias.

Ficamos à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas.

Atenciosamente,

Núcleo Tributário da Melo Advogados Associados

Especialistas em Direito Tributário | Acreditamos no poder dos negócios e do empreendedorismo como meio de tornar o mundo um lugar mais justo e próspero

Recomendados

Entenda a decisão do STF sobre o ICMS na conta de energia

Entenda como funciona a restituição do ICMS da conta de luz com base na decisão do STF.

Saiba Mais

STF: legislação infraconstitucional pode limitar o aproveitamento de créditos de PIS/COFINS no regime não cumulativo

No dia 25/11/2022, o Supremo Tribunal Federal finalizou a apreciação do Recurso Extraordinário 841.979 (Tema 756), instituindo que o conceito […]

Saiba Mais

ADC 49: análise sobre o recolhimento retroativo do ICMS nas transferências entre estabelecimentos do mesmo titular está pautada para outubro

Em outubro, caso conhecidos os embargos de declaração opostos pelo amicus curiae, na ADC 49 do Supremo Tribunal Federal, haverá a definição acerca da necessidade de recolhimento do ICMS não recolhido pelos contribuintes que deixaram de distribuir demandas para frear a exigibilidade da exação, desde 16/04/2021.

Saiba Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

crossmenu linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram