PL 596/2023: Remissão de débitos de CSLL em análise na CCJ

29 de fevereiro de 2024

Tramita na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal o Projeto de Lei nº 596/2023 que concede remissão de débitos da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), relativamente a fatos geradores ocorridos até 31/12/2022.  Os débitos da contribuição referem-se à cessação de efeitos, automática ou fundada em ação rescisória, de decisão judicial transitada em julgado (encerrada).

Na data de 21/02/2024, em razão de um pedido de vista, o projeto de lei foi retirado de pauta. Há, contudo, a previsão que retorne à tramitação na próxima reunião da CCJ, agendada para 28/02/2024. 

Em conformidade com a justificação apresentada pelo autor do PL, a legislação objetiva amenizar o impacto experimentado pelos contribuintes que deixaram de efetuar o pagamento da CSLL, com base em decisão judicial, mas que passaram a ser compelidos ao recolhimento com a superveniência do veredito dado pelo Supremo Tribunal Federal aos Temas nº 881 e 885 de Repercussão Geral.

De fato, como noticiado anteriormente pelo escritório, no dia 08/02/2023 o  Plenário da Corte Suprema definiu, de forma unânime, que os contribuintes titulares de sentenças em sentido favorável, reconhecendo o direito a não efetuarem o pagamento de tributos adimplidos de forma continuada, serão compelidos ao recolhimento, caso sobrevenha julgado do STF em sentido contrário.

Como consequência do julgamento dos Temas nº 881 e 885, no caso concreto a Corte Suprema considerou que, uma vez declarada a constitucionalidade da exigência da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), na forma da Lei nº 7.689/1988, quando da apreciação e julgamento da ADI nº 15, os contribuintes titulares de decisões judiciais favoráveis estariam obrigados ao pagamento da contribuição desde 21/06/2007, respeitado o prazo prescricional.   

Nesse contexto, o PL nº 593/2023 visa perdoar as dívidas de CSLL anteriores a 2023, desde que decorrentes de sentenças favoráveis obtidas em juízo, as quais tiveram seus efeitos relativizados quando o STF julgou os Temas nº 881 e 885.

Com o regular trâmite do projeto de lei no Senado Federal (casa iniciadora), posterior envio à Câmara dos Deputados (casa revisora), e ulterior sanção presidencial, o PL nº 596/2023 possibilitará a remissão dos créditos, juros, multas e encargos legais, bem como de honorários advocatícios. 

Pelo texto inicial, pode alcançar, ainda, saldo remanescente de eventual parcelamento, não ensejando, contudo, direito à repetição ou repetição das parcelas pagas até a publicação da lei. 

Por conta do impacto substancial do PL nº 596/2023, em especial à luz do vultoso passivo em discussão que, caso mantido, pode macular a  saúde financeira das empresas e a economia de forma ampla, há a necessidade de acompanhamento detalhado. 

Assim, a Melo Advogados permanece à disposição para prestar os esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários.

Recomendados

STJ reconhece exclusão do ICMS-ST da base do PIS/Cofins

Conforme noticiado em 14/12/2023, o STJ reconheceu a possibilidade dos contribuintes excluírem o ICMS-ST da base de cálculo do PIS […]

Saiba Mais

Reforma Tributária: Novidades e Impactos para Diversos Setores!

Na última semana, foi apresentado pelos grupos de trabalho da reforma tributária o Projeto de Lei Complementar nº 58/2024, que […]

Saiba Mais

REFIS 2024: Oportunidade para quitar suas dívidas fiscais no Estado do Paraná com descontos de até 80% em multa e juros

No dia 25 de março de 2024, foi publicado no Diário Oficial Executivo do Paraná o Decreto de n.º 5.297, […]

Saiba Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

crossmenu linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram