Transação Tributária: Lei Estadual nº 21.860/2023 estabelece os requisitos e condições para negociação de débitos com o Estado do Paraná

17 de janeiro de 2024

Sancionada em 15/12/2023, a Lei Estadual nº 21.860, a qual possibilita a instituição da transação tributária para negociação de débitos estaduais se concretize no Estado do Paraná.

Na mesma esteira da Transação Tributária do Estado de São Paulo, cujo projeto de lei foi enviado à sanção do Governador paulista em outubro de 2023 e efetivamente sancionada em novembro do ano passado, a norma estadual do Paraná descreve os benefícios do uso desse recurso negocial.

Dentre elas, destaque-se a possibilidade de redução das multas, dos juros e dos demais acréscimos legais, inclusive honorários, para os créditos classificados como irrecuperáveis ou de difícil recuperação, podendo alcançar até 65% do valor total negociado, mantido o seu montante principal. 

No caso de pessoa natural, microempresa, empresa de pequeno porte e de empresas em processo de recuperação judicial, liquidação judicial, liquidação extrajudicial ou falência, a redução máxima aumenta para 70% do valor total da dívida.

Além disso, pode ser concedida diluição da dívida em 120 meses ou, para pessoa natural, microempresa, empresa de pequeno porte e empresas em processo de recuperação judicial, liquidação judicial, liquidação extrajudicial ou falência, 145 meses.

A par dessas condições, a legislação paranaense apresenta inovações interessantes.

A principal delas trata da inédita autorização de compensação de até 75% do valor do débito, após os descontos, incluindo dívida principal, multa e juros remanescentes, com precatórios e com créditos acumulados e de ressarcimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de Transporte Intermunicipal e Interestadual e de Comunicação (ICMS), inclusive na modalidade de substituição tributária (ICMS/ST) e de créditos do produtor rural, sejam créditos próprios ou adquiridos de terceiros.

Isso significa, portanto, que os contribuintes que possuírem precatórios estaduais ou créditos acumulados poderão utilizá-los para compensar até 75% do valor restante, após a aplicação dos descontos em juros, multas e encargos legais.

Esta transação tributária é uma importante ferramenta para negociação de débitos perante o Estado do Paraná, cujo procedimento de regulamentação para adesão dos contribuintes deverá ocorrer em breve.

A Melo Advogados permanece à disposição para prestar os esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários. 

Recomendados

É possível obter creditamento de ICMS sobre produtos intermediários? Entenda o critério do STJ para esse tema!

Foi definido em julgamento pela 1ª Seção do STJ que é possível o creditamento de ICMS sobre a aquisição de produtos intermediários, inclusive aqueles consumidos ou degradados no processo produtivo, desde que comprovado o seu uso na atividade final da empresa.

Saiba Mais

CARF autoriza a tomada de crédito de PIS e COFINS sobre despesas com insumos de insumos

A 3ª Turma do CARF confirmou a apropriação de créditos de PIS e COFINS sobre as despesas de insumos de insumos utilizados para produção de álcool e açúcar, uma vez que os gastos com esses materiais são relevantes e essenciais para que o produto final tenha a qualidade esperada.

Saiba Mais

PL do CARF: retomada do voto de qualidade após a sanção da Lei nº 14.689/23

PL do CARF: confira as três principais alterações trazidas pela Lei nº 14.689/23, como a retomada do voto de qualidade e afastamento de juros, multas e encargos legais.

Saiba Mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

crossmenu linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram